• SIGA O JUSCELINO NAS REDES

Novo estudo constata o desaparecimento das abelhas no mundo

Infelizmente, não é a primeira vez que dou esta notícia, e sempre com dados atualizados. A importância do tema, no entanto, justifica que se volte a ele. Um estudo publicado esta semana na revista “Science” e analisado em reportagem no britânico “The Guardian”, mostra que “a probabilidade de uma população de abelhas sobreviver em qualquer local diminuiu 30% no decorrer de uma única geração humana. Os pesquisadores dizem que as taxas de declínio parecem ser ‘consistentes com uma extinção em massa”.

Também não será muita novidade, para quem se preocupa com a degradação que os humanos vêm causando ao ambiente. Até Einstein, o físico teórico alemão morto em 1955, que criou a lei da relatividade, já cuidou das questões das abelhas.

Uma abelha coleta pólen de um girassol, em Springe, perto de Hanover, na Alemanha — Foto: Julian Stratenschulte/dpa/AFP
Uma abelha coleta pólen de um girassol, em Springe, perto de Hanover, na Alemanha — Foto: Julian Stratenschulte/dpa/AFP

“Sem abelhas não há polinização, não há reprodução da flora, sem flora não há animais, sem animais não haverá raça humana”, profetizava ele.

A equipe que fez o estudo agora publicado na “Science” descobriu que as populações deste importante polinizador começaram a desaparecer justamente, é claro, em regiões onde as temperaturas tinham ficado mais quentes.

Foram usados dados coletados num período de 115 anos em 66 espécies de abelhas na América do Norte e Europa para desenvolver um modelo que simula cenários de “caos climático”. E a conclusão foi que as populações de abelhas mudaram ao longo dos anos, comparando onde os insetos estavam agora e onde costumavam estar.

Pesquisadores desenvolvem antídoto que protege abelhas e colmeias de pragas
Pesquisadores desenvolvem antídoto que protege abelhas e colmeias de pragas

“Nossas descobertas sugerem que declínios muito maiores são prováveis se as mudanças climáticas se acelerarem nos próximos anos, mostrando que precisamos de esforços substanciais para reduzir esta questão se quisermos preservar a diversidade de abelhas ”, diz Tim Newbold, do Centro de Pesquisa em Biodiversidade e Meio Ambiente da University College London, um dos autores do estudo.

O estudo traz uma série de sugestões que podem ajudar as abelhas. Mas, diante das últimas notícias, sinceramente eu tenho receio, e quase uma certeza, de que serão sugestões devidamente menosprezadas. Como prova disso, o presidente Jair Bolsonaro cumpriu o que pregou em sua campanha eleitoral ao decidir pedir ao Congresso que libere as áreas indígenas para atividades de exploração econômica.

Não é nenhuma surpresa. E os protestos já começaram, como não podia deixar de ser (em nota, a Associação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) diz que aquilo que Bolsonaro chama de “um sonho”, nada mais é do que “a vontade de atender os interesses econômicos que impulsionaram a sua candidatura e sustentam o seu governo, mesmo que isso implique em total desrespeito à legislação nacional e internacional que assegura os nossos direitos fundamentais”.

Olhar Em Pauta: Morte de abelhas por agrotóxicos afeta apicultores do Rio Grande do Sul
Olhar Em Pauta: Morte de abelhas por agrotóxicos afeta apicultores do Rio Grande do Sul

A equipe que ocupa hoje os corredores do Palácio do Planalto protagoniza um desprezo pelos cuidados com a natureza que se tornará marca do atual governo. Como alertar para o desaparecimento das abelhas, e tudo o que de trágico acontecerá depois, pessoas que só rendem homenagens ao Deus mercado? Vai sempre parecer ingênuo o alerta, diante dos números, dos micro percentuais que mostram o aquecimento da economia, a volta de investimentos, a chegada de indústrias ao território. Mesmo que este território, coitado, já esteja tão machucado que pouco ou nada terá a oferecer aos dragões.

Não, não é ingenuidade. São fatos. O que parece não fazer cócegas a quem se interessa apenas pelo desenvolvimento a qualquer custo, a quem só enxerga lucro e percentual à sua frente, é que aquilo que se costuma chamar de “recursos”, não de “bens” naturais, não é infinito. Está claro, como água cristalina, que nem o futuro a longo prazo, quando não haverá mais de onde tirar riqueza do solo, nem o presente, que já reduz a riqueza a poucos e torna abissal a desigualdade social, nada disso ocupa sequer minutos de reuniões no nosso comando federal de hoje. Outros governos virão, outras diretrizes também. Mas o tempo não está a favor, como se vê no caso do desaparecimento das abelhas.

Para ilustrar ainda mais a questão dos polinizadores, um documentário belíssimo, chamado “Honeyland”, que está concorrendo ao Oscar pode ajudar.

É importante que se façam análises, divulguem dados, anunciem estudos. De alguma forma será preciso mostrar as conseqüências catastróficas de decisões como a de abrir espaço para explorar terras até então intocadas, que servem ainda para espalhar um pouco de oxigênio e vida em nossos ambientes.

Vem de Bruno Latour, um dos filósofos franceses mais influentes da atualidade, o pensamento que gostaria de compartilhar com vocês para ampliar as reflexões que faço aqui hoje. Em entrevista a Marc Bassets, do jornal “El País”, em março do ano passado, logo após ter publicado seu último livro – “Down to Earth. Politics in the New Climate Regime”, ainda sem tradução no Brasil – o pensador resume o sentimento de perceber a catástrofe e se sentir parte responsável por ela, como angustiante.

“É como se o solo do país onde estou já não me fosse favorável. A angústia não é ecológica no sentido da natureza, mas é do território. O problema é esse sentimento de perder o mundo. Já existia antes, mas eram os artistas, os poetas, que o sentiam. Agora é um sentimento coletivo”, disse ele.

Latour recorda o tempo em que se achava que os bens naturais eram infinitos e que o planeta se desenvolveria de forma infinita, sem limites.

“Mas o sonho de que o planeta se modernizaria indefinidamente nunca foi verificado, não tinha fundamento material. Desde o século XIX, com o carvão e o petróleo, a economia havia se tornado infinita. E há uma angústia geral por esse desajuste”, disse ele.

Os fatos são apenas cordeiros diante dos lobos, e os lobos são aqueles que estão aí prontos para devorar os fatos, diz Latour. A solução seria aterrissarmos entre os terrestres, pessoas que se ocupam com o desaparecimento das abelhas e tentam, mesmo que seja botando flores nas suas próprias janelas, lutar contra isso. Se esta for a forma encontrada para buscar saúde, que seja. Talvez seja a única arma, individual e singular, que vamos conseguir empunhar para lutar contra os lobos: a busca da saúde.

Por Amelia Gonzalez, G1

YOU MIGHT ALSO LIKE

0 Comentários

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.

Inscreva-se

Receba as últimas notícias do Blog do Juscelino